quarta-feira, outubro 31

Provérbios de um discípulo /// 87

É mais fácil amar a obra, pois ela diz: "IDE". Difícil é revelar o conteúdo desta obra dentro da própria casa, o lugar para o qual precisamos "VOLTAR" todos os dias.

Sempre será mais fácil amar a obra, que amar os que precisam dela, principalmente os da própria casa que necessitam enxergar a vida que prometemos dar a outros.

As pessoas que dão enfâse exagerada no ministério sempre escondem lacunas na alma (...) buscam compensar o vazio existencial através da obra.

Quando defendemos o ministério em detrimento de outras coisas em nossa vida (...) deixamos claro que não reconhecemos o trabalho ministerial como um reflexo da vida que temos. A obra verdadeira não é a que se faz, e sim a que se vive.
A vida constrói o ministério, o ministério em si mesmo é a mentira de que possuímos uma vida. Podemos até não está plenos nesta realidade, mas devemos prosseguir para o alvo.

Por mais que o comportamento de um órfão seja aparentemente normal, ele carrega um vácuo dentro de si. Todas as atitudes visam a busca por significado, identidade e afirmação (...)Nessa busca surgem pais postiços, até que alguém se apresente como um pai de verdade. Eis um dos motivos para o retardo de nossa maturidade.

O pior tipo de ausência é aquela que está presente.

A orfandade intimida a alma.

A geração e a Igreja atual são frutos de uma geração de "senhores/donos" (...) poucos de nós conseguiram ser formados estavelmente por homens e mulheres de verdade e na verdade, em amor e exemplo. Antes de perguntarmos que qualidade de filhos temos e que tipo de Igreja lideramos hoje, precisamos reconhecer que tipo de pais e pastores fomos, há grandes estragos e dores na geração atual causado pela orfandade na Igreja e na família, uma tornou-se o reflexo da outra.
Diagnosticar, amadurecer e curar...

Temos que crescer para sermos semelhantes a Jesus (...) estáveis emocionalmente para lidar com a montanha russa que é o coração humano, só assim seremos "auto suficientes" para manter nossa posição de amor no ministério, reconhecendo que a mudança e o amadurecimento da vida das pessoas é fruto de um processo, nunca fruto do acaso, precisamos em graça entender o que nomeei de "fator Pedro".

A vida não é um acidente, ela é uma construção. Precisamos de graça para entender que as pessoas não são o que são por um mero acaso, precisamos de amor para reconstruí-las.

A prosperidade que não revela o propósito de Deus não é prosperidade, é apenas dinheiro.

A verdadeira prosperidade em Cristo: "Ter para que outros tenham", pois o contrário é "valorizar o que fica" e impedir que pessoas conheçam e sejam alcançadas pelo Senhor através de tudo que Ele tem feito e concedido.

Isaías 1:19 VS João 4:34
A teologia da prosperidade exalta o bem estar da vida passageira, enquanto a centralidade do Evangelho é fazer com que a vida seja eterna em Deus. A prosperidade que não revela o propósito de Deus não é prosperidade, é apenas dinheiro.

Eu acredito na prosperidade, só não acredito na teologia da prosperidade. A prosperidade do Senhor diz que recebo por causa de um propósito, a teologia da prosperidade diz que recebo por receber, e isso tira de mim o senso de missão, cauteriza meu coração para com as necessidades de outros, infla meu ego, me deixa de férias enquanto Deus está em Cristo reconcilidando consigo o mundo.

A alma de um órfão é timída porém violenta.
A violência é a falta de toda capacidade, confiança e argumento.
Ser curado é receber poder para curar...
A timidez torna-se reflexão e contemplação, a violência faz brotar amor e zelo por aquilo que se recebeu através da paternidade de Deus, autoridade e unção para amar, entender e restaurar os que padecem na mesma área.

Quando todos forem embora, quando não houver campo missionário (...) será que nosso cônjuge confirma aquilo que somos no Senhor? O relacionamento e a vida que temos no Pai depende do ministério para ser vida ou é ministério porque é vida?

Todos queremos o "IDE" , mas poucos desejam o "SER" e o "VOLTAR".

Anderson

Jesus se fez pobre para que fôssemos ricos? /// Anderson

Você não faz de um pobre rico simplesmente falando, Jesus "nos fez" e nos deu capacidade de nos "mantermos", não simplesmente no aspecto material, mas no caráter, na essência, na vida. aos recebermos a vida de Deus nos habilitamos ou "deveríamos" à toda boa obra, revelando Deus de uma forma integral aos homens.

A Igreja ao falar sobre prosperidade não deveria simplesmente abordar o assunto de uma forma única e extremista, gerando assim ambição em alguns e dor em outros (...) pois imaginam que não possuem fé, ou a fé é fraca por não ter um carro zero na garagem.

A riqueza que a Igreja recebeu em sua natureza não diz respeito a si mesma, mas a regeneração das nações. Portanto, ela não pode simplesmente dizer ao pobre que ele é rico, mas reconstruí-lo de conformidade com toda a riqueza recebida em Cristo, que volto a afirmar não é material simplesmente, pois a riqueza material que não revela a Graça e a beleza espiritual, não é riqueza.

Cristo se fez pobre?

Ele abriu mão de sua "totalidade" para que pudessemos enxergar nossa vida disponível Nele, pois se Ele não tivesse se tornado um homem, jamais teríamos a capacidade de retornar a Deus. A Igreja só confirma que é rica quando ela abre mão do que é, e tem... para que faça por outros aquilo que Cristo fez por ela, e continua a comunicar a ela.

A Igreja só recebe "riquezas" por que o homem sem Deus continua pobre (incapaz). portanto, ela não recebe para si mesma, mas para uma missão. Ela supre suas necessidades e restaura as nações através do propósito de Deus revelado em Cristo.

Ele pensou consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde armazenar minha colheita’. "Então disse: ‘Já sei o que vou fazer. Vou derrubar os meus celeiros e construir outros maiores, e ali guardarei toda a minha safra e todos os meus bens.
E direi a mim mesmo: Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se’.
"Contudo, Deus lhe disse: ‘Insensato! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou? ’
Lucas 12:17-20

"Assim acontece com quem guarda para si riquezas, mas não é rico para com Deus".
Lucas 12:21

Anderson

Somos ricos?! /// Anderson

A Igreja não confirma que é rica quando constrói templos suntuosos, e abarrota os estacionamentos com carros importados. Sua riqueza é comprovada quando as nações são tocadas por sua intervenção, quando a vida humana volta a sua posição de dignidade, e nisto Deus é glorificado.

Enquanto os carros, e as estruturas vão ficar, a vida humana que é o sentido do envio do filho de Deus, morre eternamente.

Somos ricos?!...


O serviço ministerial que vocês estão realizando não está apenas suprindo as necessidades do povo de Deus, mas também transbordando em muitas expressões de gratidão a Deus.

Por meio dessa prova de serviço ministerial, outros louvarão a Deus pela obediência que acompanha a confissão que vocês fazem do evangelho de Cristo e pela generosidade de vocês em compartilhar seus bens com eles e com todos os outros.
2 Coríntios 9:12-13
 
::: Anderson

Provérbios de um discípulo /// 86

A prosperidade de Deus encontra-se em missão (Jo 3.16-17), a teologia da prosperiade está em férias constante.

Teologia da prosperidade é uma violência, prosperidade de Deus é um processo que se dá em alegria nas pequenas coisas.

O Corpo sobrevive sem uma parte (membro), ele possui capacidade de adaptação. O membro não consegue ser corpo, e com o passar do tempo desconfigura-se, pois apodrece.

A Igreja não está em um membro do corpo, ela está no Corpo.
Só posso ser a Igreja (parte), se considero que somos a Igreja (corpo).

Sem um corpo não existe Igreja.
A revelação pessoal nos faz Igreja, a construção do "todo" confirma que obtivemos a revelação.

Sem a Igreja em que você "congrega" continuarás a ser a Igreja?
Sem a Igreja que tu és, a Igreja na qual você congrega é de fato Igreja? Sem conexão entre as duas o "Corpo" de Cristo cumpre o propósito pela qual foi designado?
Efésios 1.22-23
Sem uma das partes, a outra torna-se mediana, até perder todo o vigor e expressão, tornando-se nula.

Nenhum indivíduo retém em si mesmo o entendimento sobre a totalidade da Igreja. Nenhuma compreensão, visão ministerial, e vivência pessoal define a realidade que é chamada de "CORPO".

Aquele que é cristão para si mesmo, de fato não é cristão.
Cristo não é Cristo para si...
Cristo é uma missão, Cristão é a continuação dela...

A Igreja é a reveladora de Deus por intermédio de seu Filho.
Todo assunto sobre a mesma precisa partir deste ponto, tanto no aspecto comunitário (corpo), como no aspecto individual (membros de um corpo).

Não importa onde é a Igreja, importa se ela está em nós.
Para os dois extremos:
Os que dizem que a Igreja é um lugar, e os que afirmam que nós somos a Igreja, precisam entender que a Igreja está em Cristo em caráter e propósito; portanto, toda a realidade que rege nossa individualidade e comunidade devem ser envolvidas pelo o entendimento de que a "Igreja" seja onde for, com quem for, de que tamanho for, é: Deus em Cristo reconciliando consigo o mundo, através de todos os dons concedidos ao Corpo.

A prosperidade do Senhor não pertence a um ato isolado de "fé", pertence a um processo de diagnóstico, cura, aperfeiçoamento, capacidade, visão e missão (...) dentro de um relacionameto intimo e obediente.

A prosperidade do Senhor diz que tenho uma missão. A teologia da prosperidade diz que estou de férias, mesmo que o próprio Deus em Cristo esteja em missão. ::: 2 Coríntios 5:19

Você vê a Igreja que você é, você a vê através do nível do seu relacionamento com Deus. Relacionamento raso, visão limitada e instantânea, entendimento natural, visão carnal. Os olhos naturais nos fazem construir a Igreja baseados na prática e erros dos outros, construímos baseados em escandalos e não em revelação, por isso não temos nada a oferecer aos que sofrem, e aos que se corrompem.

::: Anderson

Anderson Silva ::: Fé ou Teologia da prosperidade?

sexta-feira, outubro 26

Se você deseja ofertar ou ser um mantenedor de nossa missão



IGREJA VIVO POR TI
BANCO ITAÚ
C/C 22125-1

AG. 0479
CNPJ PARA TRANSFERÊNCIA: 20.118.161/0001-91


O IDE não é para todos ::: Anderson Silva ::: Igreja em movimento

Onde é a Igreja? ::: Anderson Silva - Igreja em movimento

Provérbios de um discípulo /// 85

Não podemos esperar o amadurecimento da Igreja se não estamos envolvidos integralmente nesse processo. Falamos da Igreja como se ela fosse algo que está divorciado de nós, aqueles que estão em Cristo são a  Igreja. Portanto, sem nosso envolvimento a Igreja nunca chega a sua plenitude reveladora.

Se quisermos uma Igreja integral precisamos ser para Ela, e a partir Dela um Cristão e um membro integral.

Se a Bíblia tivesse sido escrita por Deus eu não creria Nela, sua validade dá-se a mim pelo fato dela ter sido escrita por homens. Nisto confirma-se a beleza do Evangelho "Deus amou o homem de tal forma" e aliançou-se com ele, não impondo-se, mas revelando-se em intimidade mesmo que a outra parte da aliança seja perecível, frágil e inconstante. A Bíblia é a prova que Deus constrói o homem novamente, que das trevas faz resplandecer a luz, a Bíblia é a vida dos que disseram amém, Deus os inspirou e eles se incediaram com as boas novas de um Deus Santo. Servimos e amamos um Deus que não se impôs, mas revelou-se.

A Igreja não é um lugar de "descanso" e "conveniência", é um lugar de missão...

A Igreja antes de tudo é sobre a unidade de Deus com seus filhos por meio de Jesus Cristo, e este crucificado.

Só nasce de novo em Cristo quem morre para si mesmo, só morre para com o pecado e o mundo quem nasceu de novo Nele.
Não existe atalhos para a vida Cristã, morrer para viver na Vida Dele, viver a Vida Dele para morrer para o "eu", e assim revela-lo.

Se uma "igreja" trabalha para si mesma em menosprezo ao Corpo e a cidade, ela de fato não entendeu o que Jesus realizou na Cruz e por isso pressume que "Igreja" é o que ela é, e não o que somos em totalidade à obra de Cristo.

Antes de seguir a Cristo faça os cálculos de tudo que você perderá (...) Então, siga-o sabendo que perdeu tudo.

O chamado ministerial se confirma em uma "vida gasta" na edificação do Corpo de Cristo, e aperfeiçoamento dos santos.

Não existe conforto para os que foram vocacionados, não recebemos um dom por nossa causa e para nosso próprio benefício, recebemos dons por causa de um propósito que edifica outros na Vida que Deus revela através de seu Filho.

O cristão não trabalha (missão) em busca da confirmação de sua identidade em Deus, ele revela sua identidade através do trabalho.

O ministério que não visa o edificação do Corpo não revela Cristo em sua totalidade, mas faz com que a partícula que ele é, torne-se supostamente o corpo todo, nisso se dá o desequilíbrio da Igreja (...) ministérios para - eclesiásticos e/ou Igrejas centradas em si que pensam que realizam a totalidade da missão que só o Corpo em unidade tem poder para realizar.

A matéria prima da Igreja não é o homem, é Cristo.
O homem só pode ser reconhecido como Igreja, se a construção da-se pelo fundamento Jesus.

A plenitude da caminhada cristã creio eu que reside no entendimento de que não somos Deus em essência, e plenitude de caráter (...) mas que isso não nos desobriga a sermos Deus em missão, pois somos uma unidade com Ele através do sacrifício e Corpo de Seu Filho Jesus.

A vida não é feita de acidentes, ela é feita de escolhas. Nós fizemos a nossa: Deus no Madeiro, loucura e visceralidade...

Igreja não é um lugar, é um propósito.

Se você é mais zeloso com a "Igreja" que você vai, do que com a "Igreja" que você é (...) tem alguma errada com você ou com ela.

Só congregamos porque somos a Igreja (...) congregar apenas não nos faz Igreja.

Se o "ministério" estiver acima da "família", dê uma pausa, respire fundo e saiba que o "ministério" é servo da família, nunca o contrário.

Quando o "amor" carrega segundos interesses, ele pode transformar-se em "ódio" em questão de segundos.

Existem príncipes em sapos, e noivas em prostitutas.
Precisamos apenas de olhos para vê-los (...) e amor para reconstruí-los.

Estamos em uma geração de homens que afirmam sua masculinidade através do uso do pênis, mas que está totalmente divorciada de responsabilidades para com a mulher, a família e a sociedade.

Que tipo de Igreja teremos através de "homens" que entendem mais de vídeo games e futilidades?!...

::: Anderson

O dízimo pertence a Lei, o Tudizímo pertence a Graça /// Anderson

Dizímo?!...

Todos os problemas e controvérsias que enfrentamos sobre ofertas e dízimos se encontra no fato de que a maioria de nós só conseguem enxergar o dinheiro, os bens e a Igreja de uma forma estrutural. Por isso não possuímos significado ao dar, muito menos ao reter, as duas atitudes são mortas e nos fazem morrer.

Todo o caráter da vida cristã resume-se em reconhecimento e obediência à um propósito maior que nós mesmos, antes de qualquer realidade material, existe uma conexão no Espírito fazendo com que não fiquemos presos à infantilidade.

Aquele que avança rumo a maturidade não quer saber o que deve ou não fazer, ele sabe o que tem que ser feito.

Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Romanos 8:14


Muitos dos irmãos buscam a validade do "dízimo" no novo testamento; creio que essa busca mostra que não entendemos o motivo do mesmo no antigo testamento.

Muitos de nós buscam a convicção que nos livre de responsabilidades, vivemos na caminhada cristã da forma que queremos, e não através do que somos (...) construídos no Senhor; outras áreas da nossa vida são reveladas nessa mesma mentalidade: "queremos ser desobrigados", não queremos algo que regule nosso comportamento, queremos ser desobrigados de amar, de perdoar, de comungar, queremos que todas as coisas se adequem a nós.

Se o "dízimo" é válido no novo testamento?
Isso importa de fato?


Isso importa para aqueles que tiveram um encontro com o "Amor" e se viram reconstruídos em Vida e propósito? Isso importa para aqueles que de fato vivem uma unidade com o Senhor (João 17)? Isso importa para aqueles que não mais vivem para si (2 Coríntios 5) Isso importa para aqueles que são estrangeiros e peregrinos, e por isso usam o "tempo" para revelar a "eternidade"? Isso importa para os que fazem de estranhos seus irmãos e irmãs? Isso importa para aqueles que são "mordomos" dos bens do Criador? Isso importa para aqueles que são cooperadores de um propósito maior que eles mesmos?

Aqueles que de fato "estão" no Senhor sabem que o "dízimo" pertence a Lei, mas a Graça nos constrói no "Tudizímo" pois Jesus se torna o Governo integral de nossas vidas, saber que o dízimo não pertence a nova aliança não nos isenta de responsabilidades, mas passa a definir se de fato vivemos no Senhor em cumprimento do seu propósito, se somos totalmente envolvidos por uma mentalidade eterna.

Se estamos obrigados ou desobrigados ao dízimo na Nova aliança, deixamos claro que é raso nosso relacionamento com Aquele que passa a ser a autoridade reguladora de nossa vida, integralmente. 

A graça entrega tudo ao Senhor, Ele tornar-se Caminho, Verdade e Vida para todo aquele que crê.

O dízimo é a escola primária da obediência material, na nova aliança se Ele não tiver tudo, de fato nada tem, pois todas as esferas da vida devem revelar Aquele que Reina em nós, realizando seus propósitos.

O dízimo pertence a Lei, o Tudizímo pertence a Graça.
No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade.
Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam, e até além do que podiam. Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos.
E não somente fizeram o que esperávamos, mas entregaram-se primeiramente a si mesmos ao Senhor e, depois, a nós, pela vontade de Deus.
2 Coríntios 8:2-5

::: Anderson

Novas pregações ::: Anderson Silva /// 13 vídeos

Discipulado // Pornografia // Masturbação // Sexualidade ::: Anderson

Jesus Cristo é Rei ::: Anderson Silva /// Playlist completa

Jesus Cristo é Deus ::: Anderson Silva /// Playlist completa

Provérbios de um discípulo /// 84

Vamos para a Igreja para encontrar Deus, quando deveríamos "Ser" e "Ir" porque já o encontramos, habitando em nós nos colocou em missão através de seu Filho.

A Igreja é Cristo...
Igreja não é o lugar onde congrego, não é o formato que julgo ser relevante para a cultura na qual estou inserido. Antes de qualquer coisa, a Igreja é um relacionamento pessoal entre Jesus e o indivíduo, antes de falarmos sobre qualquer manifestação coletiva sobre a Igreja, precisamos entender que ela primeiramente é uma experiência com Jesus em revelação pessoal. Sem isso, toda a experiência coletiva é imperfeita, e gera a médio e longo prazo realidades que impedem a eficácia da Igreja, passamos a definir a vida cristã através da frequência e não mais pelo caráter de Cristo.

Igreja não é a experiência do outro, igreja é a sua experiência. Igreja é aquilo que és por está em Cristo (...) como indíviduo e como membro de um corpo.

Quanto mais os homens desprezam a Cruz de Cristo, mais eles jogam gasolina em nosso coração, mais visceral se torna nossa unidade com Ele.

Quanto mais o mundo se esfria, e a "igreja" torna-se uma meretriz (...) mais eficaz é a revelação de Jesus por meio de sua "Noiva".

Nossa experiência com a Igreja se encontra em Jesus, a atitude ou a experiência do outro não poder definir a minha.

O esfriamento da fé dá-se ao coração que "espera" casar-se com um Noivo no qual não reside o prazer da alma, esperamos um estranho, por isso não temos motivo para perseverar até seu retorno. Um coração que o ama produz uma fé vibrante por crescer em conhece-lo.

Quem não assume responsabilidades sempre procura por culpados.

Temos que assumir as consequências das nossas escolhas, e parar de colocá-las na conta dos outros.

A minha fé perde sua beleza, fundamento e expressão quando ausento-me de "responsabilidades" para com o Senhor, para com a família, para comigo mesmo, para com a Igreja, para com a cidade; ela passa a não ter motivo de ser, perde sua vivacidade, não é mais uma questão de Cristo vivendo em mim, passo a criar amuletos para confirmar que de alguma forma estou em Jesus, mesmo que minha vida negue essa verdade. E quando digo isto, não falo que fui para o mundo viver seus prazeres, estou na Igreja aos domingos com cadeira cativa, com fama de que vivo, mas estou profundamente morto.

Ver o adultério da "igreja" não esfriará que tem um relacionamento pessoal com o Deus da Igreja.

A "missão" que não começa primeiramente em nós, não é obra de Cristo.

É o caráter de Cristo que nos coloca em missão, "a obra pela obra" nunca nos dará esse caráter, nossa missão será apenas "religião" rito, medo ou ego. A "missão" que não começa primeiramente em nós, não é obra de Cristo.

A missão é o resultado do amor de Deus que opera eficazmente em nós, e a partir de nós. A obra não é apenas trabalho do corpo, é constragimento do coração, é fogo visceral no âmago daquele que está em intimidade com o Senhor.

Fé não é receber algo de Jesus, fé é está Nele (...)

"Fé" que está presa ao senso de vitória, conquista e prosperidade não consegue de fato revelar a totalidade do Evangelho, não está pronta para encarar a perseguição, o martírio e o encargo das dores de parto da Cruz de Cristo, pois ela associa sua felicidade no que se recebe, não consegue ser satisfeita em sua união com Cristo, portanto, não consegue ser Sua revelação entre os homens. Demonstra está em Cristo através dos bens recebidos, e não através da vida recebida.

a Fé triunfalista não está em missão, está de férias enquanto o homem morre ao seu lado.

O deserto não é a vontade de Deus, é o meio para que ela se realize e nos amadureça. Fé que não é construída na crise não reconhece o motivo de ser, e não possui respostas para os que pedem seu motivo.

A Igreja está em nossa união com Cristo, fora desta realidade podemos ir infinitas vezes a "Igreja" e nunca encontraremos o que só pode ser achado na intimidade com Ele. A experência individual constrói a Igreja como Corpo, o Corpo só ganha significado e expressão quando o membro está ligado a Cristo.

A experiência coletiva é vazia e tornar-se utilitária quando estamos divorciados do Noivo.

Ninguém casa-se com um estranho. Baseados nisto temos que perceber se não estamos estranhos para com Jesus, pois sem dúvida ninguém é apresentado ao Noivo no dia do casamento (...) Jesus tomará para si a Noiva que Ele conhece, a Noiva que Ele gerou por intermédio de seu próprio caráter.
Se Jesus não nos conhece "hoje" em Sua intimidade, não podemos supor que estaremos com Ele em seu retorno.
Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: não vos conheço!
Mateus 25:12

O lugar da Igreja não é na "Igreja", o lugar da oração não é na oração, o lugar da adoração não é na adoração, o lugar de tudo que somos e fazemos é no Senhor, fora Dele tudo torna-se ídolo e orgulho.

Construímos nosso conceito de Igreja baseados em nossas decepções, quando deveríamos construi-lo em revelação através do relacionamento que temos com Jesus. Nossas decepções geram nossas próprias ideias, a revelação faz com que a realidade dos céus esteja em fluxo constante através de nós para com a terra, e através da Igreja em conceito, construção e revelação através do Cristo Vivo.

A Igreja não é um lugar, é uma realidade para os que estão em Cristo Jesus.

Dizer que somos cristãos quando residimos em uma zona de conforto (...) é a mesma coisa que afirmar que enquanto o Cristo salva o mundo através de uma cruz, nos encontramos de férias.

Ser chamado de Cristão é ser reconhecido em missão, não existe uma outra posição para o seguidor de Cristo; quem o segue torna-se automaticamente luz do mundo e sal da terra.

A Igreja que você "vai" depende da Igreja que você "é"...
antes de ter um juízo condenatório para com sua comunidade de fé, critique-se a si mesmo pois ela não possui vida própria. Ela depende do estilo de vida que seus membros possuem fora Dela (...) pois é isso que os mesmos darão a Ela. Vejas se não estás sendo daqueles que produzem a morte e egoisticamente querem colher vida.

::: Anderson

Nem tudo que é "gospel" é sagrado /// Anderson

Nem tudo que é "gospel" é sagrado, e na sua maioria tornou-se apenas um mercado sustentado através da alienação.

 Quando enxergamos a vida a partir dos olhos de Jesus (...) descobrimos que não existe nada secular, tudo passa a ser sagrado, passamos de fato a entender o que significa adoração, e ve-la em lugares inusitados, passamos a ouvir o clamor da criação em busca de reconexão com o Criador. Passamos a entender que a música e a arte não precisa de um selo de religião (...) quando o homem se expressa de conformidade com aquilo que é bom, perfeito e agradável ele exalta o Doador do dom, por mais que não saiba disto.

Eis aqui um dos papéis da Igreja:
Falar ao homem que ele não possui fonte e capacidade em si mesmo, para que exista o dom é necessário existir o Doador.


Não é a toa que a "música cristã" é tão "redundante/irrelevante" quando se limita ao reduto e  termos evangélicos. Quando não entendemos o que precisamos entender consumimos "música sacra" que não possui a santidade do Criador, transformamos a música em um produto (...) em muitos aspectos deprovido de essência e verdade, mas pela ignorância somos obrigados a consumir, e automaticamente demonizamos a música que não possui o selo da religião.

Não precisamos "santificar" a música, mas ao homem...
para que sua música seja a manifestação do caráter reconectado com o Criador.


::: Anderson

Provérbios de um discípulo /// 83

A mensagem que proclamamos a outros não pode ser divorciada da vida que temos. 
De fato, a mensagem deveria ser a vida construída em nós por meio de Jesus Cristo.

Só nos tornamos livres para fazer algo, quando nos percebemos livres para não fazê-lo. Sem essa capacidade não estamos experimentando a liberdade providenciada em Cristo Jesus (...) continuamos reféns de uma realidade que nos obriga legalmente, continuamos escravos.

A Igreja está em Cristo e naqueles que o recebem.

A Igreja acima de tudo é uma realidade reveladora e regeneradora ::: Efésios 1.23
Está Nele não é uma questão de conforto e conveniência, tudo que nos tornamos, e recebemos nos coloca em missão, assim como Ele foi enviado como missionário da parte de Deus Pai. Como Igreja nos tornamos seus missionários revelando sua santidade aos homens, nossa união com Jesus nos habilita à obediência, intimidade e a vontade de Deus. Ele nos constrói como reveladores dos céus na terra.

O trabalhador cristão não é achado na obra, ele primeiramente encontra-se em Deus. A intimidade gera a obra, nem sempre a obra produz intimidade.

Conhecer a Deus é torná-lo conhecido. O conhecimento de Deus baseia-se em expressão, ninguém que O conhece está debaixo de uma cama.

Só nos tornamos livres para fazer algo, quando nos percebemos livres para não fazê-lo.

Qualquer homem pode ser chamado ao ministério, mas ele não pode ser realizado por qualquer um e de qualquer forma.

Quanto mais eu sei que o "outro" está errado, e me prendo a isso, mais eu construo a Igreja baseado no erro alheio, ao invés de construi-la em revelação pessoal, e assim assumir minha parcela na construção do Corpo.

Se queres está seguro, não te recomendo Jesus, Ele não é uma zona de "conforto", é uma zona de "perigo". Mt 8:20 - Hb 11:13 - 1 Pedro 2:11

"Ser" Igreja para muitos de nossa geração é uma questão de isenção, quando deveria ser uma questão de imersão.

Não existe zona de conforto para os que estão em Cristo Jesus, seja de uma forma individual, seja de uma forma coletiva.

A Igreja somos nós?
Se és a Igreja, que tipo de Igreja és?!...

Se como indivíduos somos a Igreja, precisamos entender que a "Igreja de Cristo" não é desprovida do seu caráter, de amor, de graça, de dependência para com o Pai, de santificação, de dons, de obediência, de senso de urgência e peregrinação por se reconhecer em missão.

Saber que a Igreja não é um "local" faz de você o "local". Confortável?!...

Se "somos" a Igreja, que tipo de Igreja somos para com nós mesmos, para com o casamento, a família, a cidade, a Igreja local, e o próximo? para alguns, afirmar que somos a Igreja é ausentar-se do "local" Igreja, para Jesus, se reconhecer como Igreja é olhar para si mesmo a partir Dele, é crescer em conformidade com Seu caráter e obra. Pense duas vezes antes de afirmar que é a Igreja!

Saber que a Igreja não é um local, proclamar que a Igreja somos nós, nos coloca em maus lençois. A Igreja é um propósito, é uma realidade operamente a partir de Cristo (...) como posso afirmar que sou Igreja se minha vida não se encontra em missão?
Se somos a Igreja o que temos a ofecerer aos que precisam de Jesus?

Não deveríamos ir para a Igreja para "receber" mas, para formar um corpo numa realidade interdependente.

::: Anderson

Provérbios de um discípulo /// 82

O dolo não está em nossa imaturidade, mas em nossa intencionalidade. A imaturidade diz respeito ao que ainda não somos, a intencionalidade diz respeito ao que decidimos ser.

Quando não assumimos o caráter missional que é intrínseco a vida cristã e a igreja de Jesus, a vida humana torna-se apenas uma informação, um dado estatistico. Adoramos à Deus enquanto muitos são engolidos pelas trevas, falamos sobre missões como se fosse algo longe de nós, e nunca como aquilo que somos por estarmos em Jesus, edificados como Igreja e filhos de Deus.

Precisamos entender os processos geracionais que produzem o comportamento das culturas atuais, pois assim conseguiremos estabelecer o dialógo, mergulhar na cultura e redimi-la através do amor.
Quando a família e a Igreja estão ausentes da construção social é mais cômodo demonizar o que surge em resposta a essa ausência, consequentemente nos isentamos ao mandamento do amor.

O que não é construído em Cristo não é a verdade, até as verdades da igreja tornam-se mentiras quando suas obras não revelam o que Jesus estabeleceu.

Engravatar o evangelho da-lhe um tom de seriedade e torna-o mais atraente à audiência, isso é mais rentável a igreja da prosperidade. Deixá-lo apenas com o uniforme de Cristo é também acolher os marginalizados, e sem dúvida isso está fora de questão para aqueles que visam lucro, pois os que sofrem nem sempre terão o que "ofertar", apenas produzem as demandas que obrigam a Igreja a servir e amar.

Que nosso amor pelo Senhor seja maior que nossa imaturidade, pois só assim conseguiremos ser livres de nós mesmos. Que nos tornemos como Davi e Pedro (...) que através do quebrantamento encontraram o lugar de reconstrução.

A "obra" sempre será mais fácil que a "vida".

A "Igreja" em que congrego só possui sentido através da "Igreja" que eu sou na vida cotidiana. Ou não!

Quando o frequentador de cultos não obtém as respostas que o leva a denominar-se cristão e igreja, sua fé perde vigor e expressão, ele passa a ser consumidor e a missão é um assunto periférico do qual ele está totalmente alheio.
Se ele não têm respostas, que resposta ele será para com o mundo?

Quando o homem conhece a Deus no intelecto mas não se permite ser reconstruído na vida, faz um mal a si mesmo, pois Jesus é o único que possui poder para refazer a vida ou estragá-la completamente, um homem que provou um pouco de Jesus não serve para mais nada, peca com moderação pois conheceu um pouco sobre o que é de fato a vida. Quem viveu um dia com Jesus não consegue viver bem em outro lugar, por mais que finja que sim.

O Evangelho não é uma informação, uma terapia, ou uma ciência, ele é uma Vida, a Vida de Deus sendo revelada para a reconstrução da vida do homem.

::: Anderson

O "Céu" ou Jesus? /// Anderson


Se o "céu" é sua meta, não se espante mais a não ver seu coração quebrantado ao ouvir o nome "Jesus".

Para os que de fato O amam o céu não é um lugar, é a união eterna e perfeita que teremos com Ele, em qualquer lugar. 

 
O céu não é nossa meta, está com Jesus é nosso alvo, Ele é nossa expectativa, Ele é nosso tesouro, Ele é o prazer do nosso coração, Ele é nosso galardão.

O "céu" é para os que n
ão querem ir para o inferno, a intimidade Dele é para os que O amam. O céu como "lugar" só terá sentido através da presença de Jesus, pois não valorizamos um lugar, adoramos à Ele (...) para os que o amam qualquer lugar torna-se céus, Ele é o Verbo que conjuga perfeitamente tudo e todos.


O céu não será um presente ou acidente, será um relacionamento consumado.
::: Anderson

Testemunho /// Cura de câncer /// Anderson


Há mais ou menos 2 anos eu estavámos em Jaú, cidade do interior de São Paulo na casa de pastores amigos; a família deles estava muito abatida por conta da cunhada do pastor ter sido diagnosticada com câncer, aquilo me tocou profundamente e me deixou com um sentimento de incapacidade. A noite fomos ao culto e durante a adoração eu fui tomado de uma unção que nunca experimentei antes, lavei o chão em lágrimas e o Senhor ministrou poderosamente ao meu coração: "Essa mulher vai ser curada agora, esteja ela onde estiver. Imponha as mãos sobre a irmã dela em representação a ela (...) pedi o microfone ao pastor e falei isso diante da congregação e peguei o jarro de água do pastor e joguei sobre ela, impus as mãos sobre ela, e orei segurando seus pés de uma forma muita intensa para todos nós, e nos firmamos em fé a tudo o que foi dito pelo Pai.

Agradecemos a Deus por sua fidelidade...


Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei. Isaías 55:11


Ela me enviou essa mensagem:


Ola Pastor!! Graça e Paz!

estou deixando essa mensagem pra compartilhar um momento feliz das nossas vidas, pq voce fez parte de um batalhão que se propos a orar pela vida da minha irmã Celia. foram tempos de muito sofrimento mas tambem de muita oração e de declaração da verdade da palavra de Deus. porque verdadeiramente ELE levou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou-as todas!!! minha irmã está curada para a glória de Deus. ela fez uma tomografia e não aparece mais nenhuma massa, na perna onde o medico disse que nao tinha cura.M as a ultima palavra pra nós sempre será a de CRISTO!
obrigado por suas orações e agora glorifique a Deus junto conosco!!!
tenho muita coisa pra contar do que aconteceu, que Deus fez durante esses anos de oração e espera, quem sabe qualquer dia agente se ve e eu te conto!! bjo. saudades!!

Os pais de uma geração de órfãos /// Anderson

Precisamos entender os processos geracionais que produzem o comportamento das culturas atuais, pois assim conseguiremos estabelecer o dialógo, mergulhar na cultura e redimi-la através do amor.

Quando a família e a Igreja estão ausentes da construção social é mais cômodo demonizar o que surge em resposta a essa ausência, consequentemente nos isentamos ao mandamento do amor.



O caráter missional é intrínseco a vida cristã /// Anderson


Quando não assumimos o caráter missional que é intrínseco a vida cristã e a igreja de Jesus, a vida humana torna-se apenas uma informação, um dado estatistico. Adoramos à Deus enquanto muitos são engolidos pelas trevas, falamos sobre missões como se fosse algo longe de nós, e nunca como aquilo que somos por estarmos em Jesus, edificados como Igreja e filhos de Deus.

::: Anderson

Provérbios de um discípulo /// 81

A intimidade com Deus produz uma vida, que libera uma obra. A obra não é capaz de produzir intimidade, consequementemente todas as demais coisas tornam-se "religião" rito.

Deus não quer nossa "obra", Ele quer nossa intimidade, só assim realizaremos a obra eficazmente. João 5:19-20 /// João 15:4

A Palavra “Ide...” na verdade o original grego (poreuténtes) não é um imperativo, e sim um Particípio Aoristo Passivo, que literalmente quer dizer: “indo...”.
Aoristo é um tempo verbal que significa sem limite, indeterminado, indefinido, ele indica a ação de um verbo ou acontecimento sem definir absolutamente seu tempo de duração. Um particípio expressa ao mesmo tempo ação, estado e qualidade (...)
portanto o "ide" é a revelação de algo que está na essência daquele que está indo.
Ao mesmo tempo que ele aje, ele está revelando o seu estado, e a qualidade daquilo que carrega em si mesmo. Por isso não pode existir divorcio entre a vida e obra, elas são a mesma coisa. A obra é a revelação da vida, fora deste contexto nem sempre a obra em si mesma pode gerar vida.

O "ide" em si mesmo é fazer algo.
O "indo" é viver, é ir por ter algo a revelar...


A urgência do "ide" não é obra em si, mas encontrar "trabalhadores", não é o que tem que ser feito, mas como será feito. Jesus não pediu para que fossémos, pediu para que rogássemos por trabalhadores ao Senhor da seara.

Não é o homem que realiza a obra, e sim o caráter de Cristo no homem. Por isso, os trabalhadores verdadeiros precisam sair da intimidade de Deus.

O Ide não é uma obra do corpo, é a reação do coração amado, reconstruído, enviado e governado pelo Senhor da seara.
O Ide é a conclusão de um processo no qual Jesus reconhece seus discípulos como homens habilitados através da Vida que foi transferida a eles, o ide não está no primeiro capítulo do livro de Mateus, está no último.

Como chamar de cristã a vida que não revela Cristo?
Só podemos reconhecer como cristã a pessoa que se propõe à vida e a missão de Jesus, fora desta realidade não existe vida cristã. Ou podemos hilariamente reconhecer a definição de "cristãos não praticantes", desde que encontremos um "cristo não praticante".

Se existe cristão não praticante, existe cristo sem cruz, sem amor, e sem missão, pois o aluno imita o mestre.

Se existe cristão não praticante, existe cristo sem cruz.

Quando nos permitimos ao amadurecimento, não teremos mais um caráter melindroso, saberemos que a fé cristã tem duas faces: Intimidade e guerra.

Não existe outra opção para a vida cristã: ou ela é a reveladora de Jesus, ou é apenas "vida". Reconhece-se a vida cristã onde existe o caráter de Cristo em missão.

Se a obra cristã pudesse ser divorciada de uma "Vida", qualquer homem seria habilitado a tal missão, mas de fato não existe obra cristã, a vida cristã é a obra. Por isso os trabalhadores são poucos.
Ser um trabalhador é ser habilitado para uma função, é ter uma "formação" especifica, é ser avaliado de acordo com o padrão esperado, é frutificar de acordo com um propósito.

::: Anderson

segunda-feira, outubro 8

Namoro?! Sapos, prostitutas, príncipes e noivas

Existem príncipes em sapos, e noivas em prostitutas. Precisamos apenas de olhos para vê-los (...) e amor para reconstruí-los. 


Para mulheres ::: Príncipe, vampiro ou lobisomem?

Mulheres, vocês esperam um príncipe, um vampiro ou um lobisomem? 
E na vida real ?!...


 

Para homens ::: Ser homem ou ser macho?

Estamos em uma geração de homens que afirmam sua masculinidade através do uso do pênis, mas que está totalmente divorciada de responsabilidades para com a mulher, a família e a sociedade.

Que tipo de Igreja teremos através de "homens" que entendem mais de vídeo games e futilidades?!...



Seminário de oração e intercessão


Igreja?! Missionários ou consumidores? ::: Anderson Silva

Provérbios de um discípulo /// 80

Relacionar-se não é encontrar o outro pronto, é construir-se mutuamente.
 A Igreja não faz "missões", ela é a missão. Um cristão não faz missões, ele está em missão até que o Mestre volte.
A Igreja não é um local para te convencer sobre aquilo que não queres, ela é a realidade que te edifica sobre aquilo que já estás decidido "ser", "viver" e "fazer".
 Se a família não for "tudo", o ministério "nada" será .
Porque seria relevante para "outro" o "evangelho" que não serve para nós?.
Comer o pão e beber o cálice indignamente é não reconhecer o que a morte do Senhor realizou em nossa vida , e realiza através da Vida Dele em nós, é celebrar algo que reconhecemos como verdade, mas vivemos como se fosse uma mentira.
A "transformação" é algo impossível à uma ambiente sem amor e acolhimento.
Os artistas, os filósofos, os ateus e os grandes pensadores, se delatam quando se expressam em arte, pensamento, escrita e questionamentos (...) geralmente sobre algo que é maior que eles mesmos. Isso mostra que por mais que muitos pensem na vida como uma obra do acaso, ou de um processo evolutivo, é necessário um poder ou um ser para dar o "start" em toda a harmonia (ciclos) da criação.

O amor só é real para quem entende o que significa "Aliança", fora disto o que chamamos de amor é apenas conveniência (utilidade).

Dizer "eu te amo" é o mais fácil, difícil é provar isso no dia da crise... onde ficará claro que somos diferentes e por isso somos um.
Muitos querem a igreja que "ama" em sinônimo de "aceitação", pouquissímas pessoas querem a igreja que "transforma" comprovando o que de fato é "amor". Muitas são as igrejas que "transformam" em sinônimo de moralismo (...) mas, sem o mínino amor pelos que são "transformados", poucas são as igrejas que "aceitam" e "amam", e por isso "transformam". Essas são relevantes e profundas em impacto na vida das pessoas, integralmente.
Anderson
    

O consumidor de cultos mata a missão da Igreja ::: Anderson

::: Ministros

Quando a Igreja perde seu senso de missão, ela se torna apenas um mercado, e a partir disto surgem produtos, valores, caches e artistas (...) 
Só haverá salvação e exercício do "Dom" concedido se o cachê for pago, se não houver cachê as pessoas continuarão cativas e as Igrejas de periferia nunca serão tocadas pelos "Dons" dos artistas.

Só existe quem cobra, porque existe quem paga...

Será que nosso consumo não é a permissão para a existência do mercado? 
Tratar ministros de louvor e pregadores como artistas é tirar deles e da Igreja o senso de urgência e missão.

::: Membros 

O frequentador (consumidor) de cultos faz de seus problemas e ego a missão da Igreja, ele apenas avalia o produto para ver se permanece naquele mercado religioso ou procura a próxima quitanda que o agrade, ele não vem à comunhão dos discípulos de Cristo buscando uma nova vida, vem buscando carícias para suas próprias decisões e carnalidades, vem buscando uma benção que será gasta no colo de satanás. Automaticamente esse perfil de pessoa autoriza o surgimento de mercadores (mercenários ) da fé, que expoê a cruz de Cristo a vergonha ao torná-la um adereço para enfeite dos pecados dos filhos da desobediência (...) eles autorizam a fome material de bandidos travestidos em pele de cordeiro.

Quando não temos a "revelação" do que de fato é a Igreja, nos portamos como consumidores atrás daquilo que nos "agrada". A revelação nos dá temor, zelo, amor e intencionalidade no processo de construção e amadurecimento de um corpo (...) se a Igreja é minha "família", não importa o que aconteça, não jogarei meus parentes na lata do lixo; o que importa é que trabalharemos juntos rumo ao que a própria existência da Igreja propõe:

E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado, até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. Efésios 4:11-13

O consumidor de cultos mata a missão da Igreja...
 
Anderson

Dizer "eu te amo" até ursinho de r$ 1,99 diz ::: Anderson

Se de fato amassémos a pessoa com a qual nos propomos um relacionamento (...) porque já nos encontramos em outro?...

Um relacionamento não se confirma pela igualdade, mas pelas diferenças que se complementam formando um "todo" em equilíbrio; desistir é deixar claro que nunca amamos o outro, mas a nós mesmos e o que o outro poderia nos oferecer.

A maturidade de um relacionamento não se dá pela falta de conflitos, mas através da forma com que lidamos e saimos deles em aliança, em cumplicidade, em verdade, em amor.

Relacionar-se não é encontrar o outro pronto, é construir-se mutuamente!

O amor ::: Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
1 Coríntios 13:7

Anderson

quarta-feira, outubro 3

Estaremos na Vigília do Fire Universitário arrecandando as doações...




Estaremos na Vigília do Fire Univestirário arrecandando as doações...

Contamos com vocês irmãos...
Essa casa pertence a uma família de ministros de louvor, e precisamos nesse momento mostrar ao mundo o que é o Corpo de Cristo.

No presente momento, a fartura de vocês suprirá a necessidade deles, para que, por

sua vez, a fartura deles supra a necessidade de vocês. Então haverá igualdade.
2 Coríntios 8:14

De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele. 1 Coríntios 12:26


Nossa meta é arrecadar r$ 10.000,00 para realizarmos toda a reforma e a estruturação da casa, e para isso estamos envolvidos em várias outras mobilizações como: eventos musicais, bazares, e parcerias com empresas.

Para os irmãos e amigos que querem cooperar de uma forma direta:

Keila Andrade Teixeira da Silva
Agência: 0008
Operação: 003
Conta corrente: 2372-6
Caixa Econômica Federal

Desconstruções e reflexões sobre a Igreja /// Anderson

Se a minha vida não é uma missão, não posso ser considerado um cristão. 

O consumidor de cultos mata a missão da Igreja... 

Quando nos tornamos verdadeiros discípulos de Jesus, e essencialmente Igreja em nossa vida cotidiana (...) matamos à mingua aqueles que fazem da fé um produto. 

Não existe maior rebelião que a intimidade com Jesus! 

A Igreja entra em colapso quando considera "cristão" um mero frequentador de cultos (...) ser Cristão é está em missão através da Vida do Cristo vivo. 

Se existe "cristão" não praticante, existe "Cristo" não crucificado. 

Ser Cristão é ser fruto de um processo, de uma obra pronfunda no "ser", de uma realidade realizada na Cruz do Calvário (...) ser Cristão está longe de ser um adereço, ser Cristão é ser expressão de Cristo. 

A vida cristã não é uma teoria, é sobre amor, é sobre devoção, adoração intensa, conformidade com os céus, é sobre um envolvente e apaixonado relacionamento com o Criador através de Seu Filho (...) Jesus Cristo nosso amado Senhor, Rei, Mestre, Vida que nos salva. A vida Cristã é sobre quem somos, a vida Cristã é a expressão de quem nos tornamos Nele, é o coração Dele sendo revelado ao mundo através de nós. 

Todos nós queremos que a Igreja seja um corpo relevante para com a cidade, e uma família para com as nossas necessidades (...) mas, quase nenhum de nós tornam-se membros de um Corpo, e irmãos em uma família; portanto, como podemos pensar que algo irá funcionar no que diz respeito a Igreja? 

A Igreja só funciona como um corpo, e entra em colapso quando os membros tornam-se o corpo todo. 

A igreja que nós vamos depende da igreja que somos nós (...) o contrário disto, é entender erroneamente que a igreja resume-se a um local físico, e não à uma realidade revelada, uma identidade no Espírito, uma Unidade na essência, um corpo místico que nos gera como membros de uma comunidade física que revela a Vida, o Poder e a Plenitude de Deus através do Corpo de Seu Único Filho. 

Só pode ser reconhecido como cristão aquele que possui uma Cruz e uma Missão que se realiza através da mesma. Cristão não é nada a menos ou a mais que ser declarado "semelhante" a Cristo. 

Anderson

Provérbios de um discípulo /// 79


A teologia bíblica revela uma "Vida" e um Deus que amou de "Tal forma". Ensinar teologia sem que esta esteja envolta de amor aos ouvintes, paixão e intimidade para com o Criador, interesse de conduzir o homem à essa Vida e intimidade (...) é saber que essa teologia não fala sobre Jesus, mas sobre si mesma, sobre capacidade própria, sobre um ídolo. 

Teologia é meio para um fim... 

Quando não somos possuídos de um interesse de resgate, sem dúvida tudo aquilo e aqueles a quem criticamos são alvos velados de tudo que queríamos ser, ter, fazer e falar. 

Quando não assumo meu papel como homem, entrego a terceiros o poder de gerar a identidade da minha família. 

No que diz respeito a homossexualidade, a Igreja não busca convicções bíblicas para habilitar-se ao amor, acolhimento e transformação, ela faz do Silas Malafaia seu garoto propaganda para ter convicções para confirmar o pecado (...) e assim ausentar-se do "MANDAMENTO" de amar. Jesus não foi para o madeiro para falar de uma forma simplista que o homem estava errado, Ele foi para a Cruz porque o homem está cativa e essencialmente errado e morto (Romanos 8.19-22), e a missão é resgatar a criação em amor através da sua vida, e devolve-la ao Pai. João 3:17

Se a minha vida não é uma missão, não posso ser considerado um cristão. 

O consumidor de cultos mata a missão da Igreja... 

Quando nos tornamos verdadeiros discípulos de Jesus, e essencialmente Igreja em nossa vida cotidiana (...) matamos à mingua aqueles que fazem da fé um produto. Não existe maior rebelião que a intimidade com Jesus! 

A Igreja entra em colapso quando considera "cristão" um mero frequentador de cultos (...) ser Cristão é está em missão através da Vida do Cristo vivo. 

 Se existe "cristão" não praticante, existe "Cristo" não crucificado. 

Ser Cristão é ser fruto de um processo, de uma obra pronfunda no "ser", de uma realidade realizada na Cruz do Calvário (...) ser Cristão está longe de ser um adereço, ser Cristão é ser expressão de Cristo. 

 A vida cristã não é uma teoria, é sobre amor, é sobre devoção, adoração intensa, conformidade com os céus, é sobre um envolvente e apaixonado relacionamento com o Criador através de Seu Filho (...) Jesus Cristo nosso amado Senhor, Rei, Mestre, Vida que nos salva. A vida Cristã é sobre quem somos, a vida Cristã é a expressão de quem nos tornamos Nele, é o coração Dele sendo revelado ao mundo através de nós. 

Existem príncipes em sapos, e noivas em prostitutas. Precisamos apenas de olhos para vê-los (...) e amor para reconstruí-los. 

Todos nós queremos que a Igreja seja um corpo relevante para com a cidade, e uma família para com as nossas necessidades (...) mas, quase nenhum de nós tornam-se membros de um Corpo, e irmãos em uma família; portanto, como podemos pensar que algo irá funcionar no que diz respeito a Igreja? A Igreja só funciona como um corpo, e entra em colapso quando os membros tornam-se o corpo todo. 

 A igreja que nós vamos depende da igreja que somos nós (...) o contrário disto, é entender erroneamente que a igreja resume-se a um local físico, e não à uma realidade revelada, uma identidade no Espírito, uma Unidade na essência, um corpo místico que nos gera como membros de uma comunidade física que revela a Vida, o Poder e a Plenitude de Deus através do Corpo de Seu Único Filho. 

Só pode ser reconhecido como cristão aquele que possui uma Cruz e uma Missão que se realiza através da mesma. Cristão não é nada a menos ou a mais que ser declarado "semelhante" a Cristo. 

Diga para seu irmão ao lado: 
Me perdoe por ficar alugando seus ouvidos com tudo aquilo que o pastor nos pede para repetir, e que nunca foi comprovado através de nossas ações como Igreja. Tudo que repetimos é apenas uma ideal, algo abstrato que nunca foi comprovado como de fato sendo amor. 

 Para o conceito distorcido de fé, se Deus não tem nada a oferecer, Ele não serve. Por isso a igreja torna-se mundana a cada dia, ela tem que prometer ao homem o que Deus não disse que daria, ela tem que fazer mágica para que o homem permaneça na estrutura mesmo que ele não tenha nascido de novo. Não é a toa que existam tantos crentes carnais, mundanos, que vivem deliberadamente no pecado, e que possuem um conjunto de crenças distorcidas sobre Deus. O que importa para esse perfil de cristão é o que se recebe, portanto... quem pagar mais, leva ... se satanás, o pecado, o mundo ou a carne tiver algo a nos dar, o Deus que ama e faz nascer de novo para uma nova vida não SERVE. 

Não existe descanso e alegria para a alma quando a fé é apenas um produto, a igreja um mercado e Deus um repositor das mercadorias que atraem a clientela. Só teremos a alegria da nossa "Salvação" quando nossa fé não estiver correlacionada ao que recebemos, mas ao que somos, à unidade em Espírito, alma e corpo com o Senhor. 

Anderson

24 Marcas da Maturidade – Johannes Tauler

1° Eles tem amor.
2° Eles são vazios de si mesmos.
3° Eles são totalmente entregues para Deus.
4° Eles não buscam a si mesmos.
5° Por não buscarem seus próprios objetivos eles obtêm verdadeiro
contentamento.
6° Eles esperam em Deus para saberem o que Ele quer que façam e eles se esforçam ao máximo para cumprir a Sua vontade.
7° Eles, diariamente,abrem mão da suas vontades pela vontade de Deus.
8° Todas as suas capacidades são trazidas em sujeição a Deus.
9° Eles sempre tem o senso da presença de Deus em todas as coisas, quer doces
ou amargas.
10° Eles recebem todo prazer e todo sofrimento não como advindas das criaturas
de Deus, mas do próprio Deus.
11° Eles não se deixam cativar pela suas concupiscências por coisas criadas.
12° Eles nunca são movidos da verdade pela contradição ou infortúnios.
13° Eles não são enganados por falsas aparências mas consideram as coisas
como realmente são, e isso num espirito de bondade e amor.
14° Eles estão armados com toda virtude, p rontos para lutar contra todo pecado e
vício e obter a vitória e recompensa em todos os conflitos.
15° Eles observam o que Deus requer deles , ordenam suas vidas concordemente
a isso e agem segundo aquilo que professam.
16° Eles são pessoas de poucas palavras,mas com muita vida interior.
17° Eles são irrepreensíveis e justos,mas não se ensoberbecem por causa disso.
18° Eles são retos e sinceros e pregam mais com suas ações do que com seus
lábios.
19° Eles não tem nenhum outro alvo além da Glória de Deus.
20° Eles estão dispostos a serem repreendidos e abrirem mão dos seus direitos.
21° Eles não desejam sua própria vantagem e acham que as menores coisas já
são boas demais para eles.
22° Eles se consideram menos sábios e dignos que outros homens e são humildes
em tudo.
23° Eles copiam o exemplo do Senhor Jesus em todas as coisas e rejeitam tudo o
que não é próprio para aqueles que seguem o Senhor.
24° E finalmente, se eles são desprezados por muitos, isso será muito mais bem
vindo do que todo favor do mundo.